Conheça o processo da uva ao vinho branco



Para melhor apreciar o nobre fermentado, é importante conhecer o processo de transformação da fruta, desde sua colheita até seu engarrafamento como vinho.

"O enólogo é quem, diante do vinho, toma decisões, e o enófilo é quem, diante das decisões, toma vinho!" Luiz Groff (enófilo). A grande diversidade de vinhos não se obtém apenas da variedade de castas (tipos de uva), solos e climas, mas também das muitas variações em sua forma de elaboração. A linha mestra desse processo é, contudo, semelhante para qualquer tipo de vinho. O protagonista da vinificação é o enólogo: é ele quem define o melhor terreno, quais castas plantar, quando e como colher, como fermentá-las, como misturálas, se e por quanto tempo o líquido será amadurecido em barris de carvalho etc.


A colheita ou vindima é a primeira etapa. As uvas devem ser colhidas no momento certo, normalmente no fim do Verão. Quanto mais artesanal e cuidadosa for, melhor será o estado da matéria-prima. Conforme as condições do clima, pode-se antecipar a colheita para evitar apodrecimento dos cachos ou retardá-la para maximizar o amadurecimento, concentrando açúcares, sabores e aromas na fruta.





O próximo passo é a extração do suco ou mosto. É importante notar que a cor dos vinhos tintos provém unicamente das cascas das uvas e é possível separá-las esmagando-se levemente os bagos. Através desse processo pode-se obter um blanc de noirs - vinhos brancos a partir de uvas tintas, bastando não misturar suas cascas ao mosto. O champagne é o exemplo mais famoso.

Por sua cor e sabor delicados, na elaboração de vinhos brancos normalmente não são utilizadas cascas, sementes e engaços (caule que prende as uvas ao cacho), os quais provocariam um amargor indesejável. Então, para obtenção do mosto branco, é necessário retirar os engaços e esmagar cuidadosamente os bagos. A 'desengaçadeira' - um cilindro dentado que ao girar retira os bagos dos cachos, faz o serviço, rompendo os grãos sem esmagar as sementes. Durante esse processo, a parte mais nobre do suco, o chamado 'mosto flor' escorre e é separado. O restante (misto de polpa, cascas e sementes) passará por prensas hidráulicas controladas eletronicamente. O resultado dessa primeira prensagem poderá ser misturado ao mosto flor, para elaboração dos melhores vinhos, ou poderá se destinar a vinhos de segunda categoria, ou mesmo para produção de destilados como o cognac, ou de vinagre.


O suco destinado à produção de vinho receberá a adição de leveduras (agentes da fermentação) e anidrido sulfuroso (SO²), conservante e anti-séptico fundamental para a não oxidação de qualquer vinho. Neste momento, inicia-se a fermentação alcoólica, reação química onde o açúcar natural da uva é transformado em álcool etílico e que pode acontecer em grandes cubas de aço inox, de preferência refrigerados (de 18º a 22º C), para que o frescor e aromas típicos dos brancos não se percam, ou ainda, diretamente em barricas de carvalho, como muitos Chardonnays do Novo Mundo, que assim ganham cor dourada e típicos aromas de baunilha.


Existe uma tendência natural de alguns vinhos sofrerem uma segunda fermentação. Trata-se de uma desacidificação, chamada 'fermentação malo-lática'. Nela, o ácido málico (da maçã) se transforma em ácido lático (do leite), menos agressivo ao paladar que o primeiro. Essa é mais desejada nos tintos, normalmente nos mais ásperos, e usualmente evitada nos brancos, os quais se beneficiam da vivacidade conferida pela acidez.

O próximo passo (opcional) é o corte, que consiste em misturar vinhos diferentes para obter um resultado mais equilibrado e complexo. Vinhos compostos somente por um tipo de uva são chamados de varietais, os demais são os cortes ou assamblages. A mistura é feita grandes tanques por onde os vinhos passam antes de serem engarrafados. O vinho branco, que normalmente é consumido mais jovem e fresco, estará então pronto para beber.


O processo descrito acima é uma simplificação didática, pois a produção de vinhos é um processo complexo, com uma infinidade de variantes e exceções. Existem ainda outras etapas não descritas, como o clareamento, filtração, chaptalização, estabilização, correções do mosto etc. Na próxima edição, o leitor poderá conferir a elaboração dos tintos, com suas peculiaridades como a maceração e o amadurecimento prolongado em barris de carvalho.

Gostou das nossa dicas? Claro né!  Conte sempre a Optimus Importadora, uma empresa que é especialista e conhecedora do mercado e qualidade de Vinhos. Atualmente presente nos principais estados do país, em restaurantes e lojas especializadas. Contamos com uma grande rede de representantes e distribuidores em cada região.





Fonte: Revista Adega

21 visualizações

distribuidora de vinhos importados, vinhos artgentinos, vinhos chilenos, revendedor de vinhos, vinhos no atacado, vinhos gran reserva, vinhos Secret Barrel's, vinhos mosquita muerta, são paulo, santo andré, são caetano do sul, são bernardo do campo, mauá, 

  • Facebook Optimus Importadora
  • Instagram
whatsapp-logo-icone (2).png

®2020 Todos Direitos Reservados á Optimus Importadora. Desenvolvido por Agência x10

whatsapp-logo-icone (2).png